Autora: Rosana Ferreira

Inspirada pelo nosso amigo “Frog”, resolvi documentar a desova de meus kinguios e contar essa experiência aqui no fórum.

Parâmetros do aquário:
Litragem: 200l
pH: 7,2
Temperatura: 17 a 23°C
Dureza: intermediária
Amônia: 0.0 ppm
N: 0.0 ppm
Filtragem: 1 Millenium 2000 com Purigen, cerâmica e Perlon e um Atman HF0600 com carvão ativado, cerâmica e perlon.
TPAs: semanais de 30% com sifonagem do substrato (areia de rio) e manutenção do filtro (limpeza). Carvão ativado trocado a cada 20 dias.
Alimentação: Spirulina Tetra ou Sera (granulada), ervilhas frescas cozidas, Artêmias vivas e larvas de mosquito eventualmente. No verão, quando o apetite aumenta, ofereço também folhas de escarola ou alface esporadicamente.
Fauna: 1 kinguio cálico macho (14 cm), 1 kinguio comum fêmea (+- 5 anos, 18 cm), 1 kinguio perscale fêmea (jovem, 5 cm), 2 kinguios brancos comum (casal, 11 cm).

1. A reprodução dos kinguios começa com uma insistente perseguição do macho para com a fêmea, ainda na véspera (noite anterior a desova).

2. Como kinguios desovam em raízes de plantas flutuantes, optei por colocar aguapés no aquário. Ao amanhecer, o macho conduz a fêmea até as raízes dos aguapés, sempre com constante perseguição e comprimindo a barriga da fêmea com a boca ou dando leves mordiscadas.

3. Depois de ser muito estimulada pelo macho, a fêmea finalmente faz a postura, que o macho imediatamente fertiliza. Esse processo todo leva algumas horas, pois várias vezes a fêmea é conduzida às raízes

4. Nas raízes ficam inúmeros ovos. Os ovos não aderidos ou espalhados pelo aquário serão devorados imediatamente.

5. E no caso, além das raízes, ovos também grudados no vidro do aquário…Após o término da desova, as plantas contendo os ovos são retiradas para um aquário a parte, a fim de evitar que todos os ovos sejam devorados.

6. Após 3 a 4 dias, dependendo da temperatura (temperaturas mais altas aceleram o processo), eclodem os alevinos, esses ficam grudados no vidro consumindo o saco vitelínico (reserva de proteínas). Depois dessa fase, a alimentação é feita com base em gema de ovo cozida pulverizada, náuplios de artêmia, ovos de artêmia desencapsulados, ração para alevinos e infusórios, 4 a 6 vezes ao dia, pequenas porções. TPAs diárias de 20%, com sifonagem do fundo sem substrato para retirar restos de comida e fezes.

7.Alevinos com 30 dias. Com 40 – 45 dias já é possível incluir na alimentação ração de spirulina triturada.

8. Alevino com 60 dias. Aqui, praticamente a alimentação dos adultos.

9. Filhotes com 80 dias.

10. Finalmente, filhotes com 4 meses. apenas os filhotes de cálico apresentam alguma coloração. Impossível mais nitidez com câmera digital, pois eles não param quietos.

Mais informações acerca este artigo, bem como comentários e dicas, veja aqui.

Possui experiencia com o tema desta pagina ? Deixe seu comentario, podera ajudar outros aquaristas: